terça-feira, 8 de março de 2011

O valor da vida

...E dizem que sou cruel, alegando que matei a minha amada, eu não a matei, apenas aliviei a sua dor. Quando ela estava no alto do monte Everest, sem oxigênio, mordendo os próprios lábios de tanta agonia...Aquela situação era agonizante para ambos, sem pensar muito eu revolvi beija-la, assim seu coração batia com mais velocidade emancipando a sua morte, era o único jeito de conter a agonia de minha amada. Não sou mau e acreditem, eu a amo, foi difícil fazer isso mas apenas realizei o desejo que seus olhos desesperados me pediam, aliviei a sua dor, não a matei pois ela esta eternizada no tempo, apenas  retirei a sua vida por amor. Queria que eles estivessem no meu lugar, sendo o amor da sua vida ali, sem ar, em uma desesperada luta contra a agonia ou o medo, sei lá, tenho certeza que se fosse com eles, fariam o mesmo.
Agora, eu estou eternizada no tempo, não sofro, mas temo algo que não sei bem o que é, estou livre do desespero, não sei se isso é bom ou ruim. Vejo pessoas vestidas de mantos brancos e outras de ternos pretos, sou a unica que parece estar vestida diferente, com um vestido azul de seda reluzente, não sei pra onde sigo, apenas caminho junto com a multidão. Vejo algumas pessoas retornando (não sei da onde) mais aliviadas e ouço de longe gritos de desesperados.Passei por um lugar escuro, sozinha, mas algo me dizia pra sempre seguir enfrente, uma voz e uma força me acompanhava, vi coisas que não sei se posso chamar de pessoas, pois tinham corpo de cavalo e várias cabeças, me olhavam dos pés a cabeça, mas não conseguiam chegar perto de mim, logo encontrei uma saída, uma luz forte veio em minha direção e me deparei com um lindo jardim, uma mansidão, era diferente de tudo que eu já tinha visto até aqui, era fantástico, sobrenatural, ali havia a paz que eu tanto procurava  e não achava, mas veio um vento contra mim, um vento forte que me fez cobrir os olhos com o meu vestido azul de seda, quando abruptamente tudo fica em silêncio e sem cor, e aos poucos e vagamente vou escutando vozes, vozes talvez de alguns parentes, epa, essa voz é do meu amor, chorando, porque será? Ouço mais gente, dizendo que eu não vou aguentar...Abro os olhos, cansada, desesperada mas com um breve um sorriso no rosto, vejo minha família, aparentemente felizes por me verem bem, eu fui mais além do que a capacidade humana possa imaginar ou que a ciência consegue explicar.Fiquei em coma e vi o fim, acho que todos deveriam ficar em coma apenas um dia, para terem noção do valor da vida.


3 comentários:

  1. e eu acho que todo mundo deveria ir ao topo do Everest uma vez na vida, mas com reserva de oxigênio...

    ResponderExcluir
  2. Com oxigênio não teria graça nenhuma...

    ResponderExcluir